Prometeu trouxe magia ao Museu de Lamego

Um ambiente mágico instalou-se este sábado, 17 de novembro, no salão nobre do Museu de Lamego, onde Deuses, Titãs e Pandoras se uniram numa linguagem performativa única, fundindo em cena a música, o teatro e a expressão audiovisual.

Pela mão do Teatro de Formas Animadas (TFA) de Vila do Conde, o público foi brindado com a peça Prometeu, numa recriação ocidental do Wayang Kulit, o famoso teatro de sombras indonésio, onde a tradição e as novas tecnologias de caráter experimental se cruzaram.

Numa co-produção com a Casa da Música, a performance multimédia narrou a epopeia heróica de Prometeu, o titã irreverente que roubou o fogo aos deuses e o ofereceu aos homens recém-criados.

Não faltou também a Caixa de Pandora, portadora de todos os males do mundo. 

Num jogo de intrigas, heróis, deuses e batalhas, a narrativa foi-se desenrolando através de personagens representadas por silhuetas articuladas, numa cenografia que utilizou como recurso principal a manipulação de areia sobre uma superfície, criando desenhos e texturas que sugeriam espaços e ambientes visuais, além de uma sonoplastia original que acompanhou todos os momentos.

Com encenação e interpretação de Marcelo Lafontana, o espetáculo proporcionou um momento mágico de união com o público que, no final, não se cansou de aplaudir a performance.