Faiança do Mosteiro de São João de Tarouca agora também em e-book

PRÉ-VISUALIZAÇÃO | 19 de 386 páginas]

DOWNLOAD DA OBRA COMPLETA | http://bit.ly/FaiancaMSJT_Ebook

Há cerca de dois anos era publicado aquele que foi considerado um “trabalho inovador e profundamente transdisciplinar” na área do estudo da cerâmica em Portugal. Hoje, como em 2015, “A Faiança Portuguesa de Olaria na Intervenção Arqueológica no Mosteiro de São João de Tarouca” continua a ser um ponto de viragem no estudo da faiança portuguesa. É neste contexto que o Museu de Lamego e Vale do Varosa alargam agora o seu acesso, disponibilizando livremente a obra em forma de e-book, dando assim resposta às muitas solicitações que chegam de investigadores portugueses e estrangeiros, ao mesmo tempo que o Museu de Lamego e Vale do Varosa cumprem mais uma vez o seu objetivo de chegar ao maior número de pessoas possível.

Para que esta obra fosse possível, pelo caminho ficaram mais de 3.500 metros quadrados escavados entre 1998 e 2007, no Mosteiro de São João de Tarouca, numa das maiores escavações arqueológicas realizadas em território português. Em simultâneo surgia um espólio inusitado e inimaginável, onde a cerâmica assumia um papel de destaque, atingindo cerca de 117.000 fragmentos. Deste universo foram identificados mais de 88.000 fragmentos de faiança, impondo-se desde logo como principal elemento de destaque, vindo a confirmar-se o conjunto como um dos maiores de cerâmica Moderna a ser exumado em Portugal.

Nesta obra apresenta-se o estudo tipológico de 2.782 peças de faiança portuguesa de olaria que foi possível identificar, constituídas pela colagem de mais de 13.000 fragmentos, assumindo-se este conjunto como amostra de um universo mais extenso, mas que ilustra a produção de faiança portuguesa, num dos maiores trabalhos de registo gráfico alguma vez realizado em Portugal.

“A Faiança Portuguesa de Olaria na Intervenção Arqueológica no Mosteiro de São João de Tarouca”, mais que um estudo de faiança, pretende ser um manual para todos os investigadores e interessados que se envolvam no estudo da cerâmica moderna portuguesa, exumada num espaço hoje musealizado ao abrigo do projeto Vale do Varosa, da responsabilidade da Direção Regional de Cultura do Norte, que integra mais quatro monumentos (Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, Convento de Santo António de Ferreirim, Capela de São Pedro de Balsemão e Ponte Fortificada de Ucanha).