E da matemática se fez música no Museu de Lamego

Na data em que se assinalou o Dia Nacional da Cultura Científica, no Museu de Lamego falou-se de matemática e de música. Numa abordagem descontraída e informal, a investigadora e docente da Universidade do Minho, Ana Pereira do Vale, brindou a audiência com números e sons que, no final, se traduziram na matemática da música.

Inserida na Semana da Ciência e da Tecnologia, que este ano decorreu entre 19 e 25 novembro, esta palestra foi a primeira colaboração entre o Museu e a Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, estando previsto para 2013, como anunciou o Diretor do Museu de Lamego, Luís Sebastian, um conjunto de iniciativas em torno da promoção da Cultura Científica e Tecnológica, onde a matemática continuará a marcar presença.

Na sessão do dia 24 de novembro, os participantes tiveram oportunidade de perceber as dificuldades presentes na afinação dos instrumentos musicais e a dificuldade em resolver com uma fórmula comum todos os problemas.

Centrada na música ocidental, Ana Pereira do Vale começou a sua intervenção recordando que a matemática marca presença nas mais diversas vertentes da música, desde a simbologia das notas musicais, aos compassos, passando pelas cadências, pela construção dos próprios instrumentos e, impreterivelmente, pela questão da afinação que era e continua a ser um problema, apesar dos diversos avanços científicos ao nível da tecnologia e da eletrónica, como assinalou a docente.

Os participantes tiveram oportunidade de verificar in loco estes problemas, através da audição das notas musicais de acordo com diversos tipos de afinação, que foram variando de época para época, de região para região.

Efetivamente, muitas vezes estas questões passam despercebidas, mas foi impressionante a clareza com que a palestrante evidenciou aos presentes os problemas da afinação de instrumentos musicais e os cálculos aritméticos para chegar à afinação denominada de pura ou justa. No entanto, foi ainda percetível que, apesar das várias soluções encontradas, estas acabam por revelar outros problemas.

“Ouvir os números: a matemática da música” contou com ainda com a simpatia e disponibilidade da oradora que atualmente trabalha os problemas matemáticos da Teoria da Música. Entre as disciplinas que leciona na Universidade do Minho está incluída uma disciplina de Matemática e Música para a licenciatura em Música.

Apresenta periodicamente palestras, que incluem temas como o papel dos grupos na construção das escalas musicais, as transformações geométricas na composição musical, o problema da afinação, uma axiomática aritmética para o contraponto de primeira ordem ou a análise de partituras através de caminhos definidos em estruturas geométricas em duas ou três dimensões. A sessão não terminou sem a audição de Chopin e a identificação das diferentes afinações.

Aceda para ver o álbum de fotografias »